Concurso de Admissão à Carreira Diplomática - Incrível

COMPARTILHE!
Concurso de Admissão à Carreira Diplomática - Incrível



O que veremos neste artigo

Você já ouviu falar no Concurso de Admissão à Carreira Diplomática? Este concurso acontece de forma anual.

Você já ouviu falar no Concurso de Admissão à Carreira Diplomática? Este concurso acontece de forma anual. No entanto, nem todos os brasileiros sabem como ele funciona. Descubra tudo no artigo abaixo!

O que é o CACD?

Conhecido pela sigla CACD, o Concurso de Admissão à Carreira Diplomática é um dos mais tradicionais do país. Os motivos para isso são diversos. 

 

Em primeiro lugar, o Itamaraty (que é o nome do Ministério das Relações Exteriores, órgão de estado onde os diplomatas são lotados) é uma das instituições mais sólidas do Brasil desde a proclamação da república. 

 

Apesar de diferentes governos e algumas crises, a diplomacia brasileira sempre foi muito prestigiada e reconhecida fora do país, por seu estilo e vocação para o soft power e mediação política.

 

Ao mesmo tempo, outro fator que contribui para a tradição do concurso é a sua longevidade e periodicidade. Ele é um dos poucos certames que acontecem todo ano; o que varia é a quantidade de vagas oferecidas.

 

Para se ter uma noção da periodicidade, apenas no primeiro ano da pandemia de covid-19, 2020, o concurso não foi realizado.

 

Finalmente, o altíssimo nível de exigência, que faz com que ele seja um dos processos seletivos de maior dificuldade do Brasil, completa as características que fazem do CACD um concurso específico e único. 

Histórico do concurso

Desde a criação do Instituto Rio Branco, em 1946, são realizados exames para admissão à carreira diplomática. Isso faz com que o concurso seja um dos mais antigos do país.

 

Desde 1996, o exame passou a ser denominado CACD. No entanto, ocorreram algumas mudanças nos últimos anos. 

 

Desde a eliminação de provas orais (que já foram uma etapa eliminatória) até a mudança de matérias cobradas e alterações nas provas de idiomas. 

Momento atual do concurso

De modo geral, as condições básicas para prestar o concurso são aptas a milhões de brasileiros. É necessário ser maior de 18 anos, ser brasileiro nato, estar em dia com as obrigações eleitorais e militares e ter formação em algum curso superior.

O que faz um diplomata?

Basicamente, ele é um funcionário de estado encarregado de implementar e executar as diretrizes da política externa brasileira. Assim, ele cuida:

 

  • Da obtenção e transmissão de informações ao governo brasileiro sobre temas de interesse nacional no mundo;

  • Representa o Estado Brasileiro junto à comunidade internacional, seja em organismos multilaterais ou na representação em postos no exterior;

  • Negocia tratados e acordos comerciais e jurídicos que defendam os interesses dos brasileiros;

  • Auxilia a comunidade brasileira que vive no exterior, em qualquer necessidade relativa à documentação, entrada e saída de países e situações adversas;

  • Promove a cultura brasileira e os interesses da política externa nacional. 

 

Portanto, a função dos diplomatas é muito importante para o bom relacionamento do Brasil com os seus cidadãos mundo afora e também com outros países e organismos internacionais.

 

A atuação dos diplomatas é bem dinâmica, de modo que eles atuam em diferentes segmentos, e podem trabalhar em muitos países distintos.

 

Por isso, é desejável que o candidato interessado na carreira diplomática tenha interesse em aprender idiomas, vivenciar outras culturas, fazer viagens internacionais e viver fora do país. Afinal, essas atividades são essenciais para exercer a função. 

Qual é a formação necessária para ser diplomata?

Esta informação sobre a formação exigida, por exemplo, é ignorada por muitas pessoas, que acreditam que é necessário ter uma formação específica (como por exemplo Direito ou Relações Internacionais) para tomar posse como diplomata. Não é necessário. 
 

Atualmente, o concurso é realizado em todas as capitais estaduais, além do Distrito Federal. 

 

Ao ser aprovado no concurso, o candidato toma posse como Terceiro Secretário, que é o primeiro degrau da carreira diplomática. 

 

Então, ele ingressa no Curso de Formação de Diplomatas do Instituto Rio Branco, que tem duração média de 1 ano e meio a dois anos. 

 

Após a conclusão da formação, o diplomata começa a trabalhar em alguma divisão, seja na própria sede do Itamaraty ou em algum posto no exterior.

Remuneração e benefícios

A remuneração inicial na carreira, referente ao posto de Terceiro Secretário, é de R$ 20.926,97 reais. Além disso, os diplomatas contam com benefícios relevantes, tais como:

 

  • Passaporte Diplomático;

  • Residência funcional/reembolso do aluguel no exterior;

  • Auxílio-Alimentação de R$ 658,00;

  • Auxílio-Creche de R$ 321,00;

  • Isenção de impostos no país em que está lotado;

  • Restituição de despesas de transporte e despesas médicas.

 

Qual é a quantidade de vagas oferecidas?

Nos primeiros anos do século XX, os concursos do Instituto Rio Branco chegaram a oferecer até 100 vagas anuais. Recentemente, esse quadro se alterou bastante. Na última década, a média oferecida anualmente nunca ultrapassou 30 vagas.

 

No entanto, o concurso que será realizado no ano de 2023 marca uma alteração nessa tendência, visto que estão sendo oferecidas 50 vagas. É possível que nos próximos anos um número semelhante ou até mesmo maior de vagas seja oferecido.

 

É importante pontuar que o CACD oferece reserva de vagas para candidatos pretos e pardos e também para pessoas com deficiência. 

Como é a prova do CACD?

Como falamos, ao longo das décadas, a prova sofreu mudanças consideráveis em sua estrutura. Por isso, vamos nos ater ao modelo atual dela.

 

Desde o ano de 2009, não há alteração nas matérias cobradas no concurso. São elas:

 

  • Língua Portuguesa;

  • Língua Inglesa;

  • Política Internacional;

  • História do Brasil;

  • História Mundial;

  • Geografia;

  • Economia;

  • Noções de Direito e Direito Internacional Público;

  • Espanhol;

  • Francês. 

 

O concurso se divide em três fases distintas. A primeira delas é o Teste de Pré-Seleção (TPS). Esta etapa tem caráter eliminatório e é formada por 73 questões, cada uma com quatro itens. O candidato deve avaliar os itens como certo ou errado.

 

A segunda fase é composta de provas escritas de Língua Portuguesa e Língua Inglesa. Elas envolvem exercícios de interpretação, redação, tradução e resumo (esses últimos na prova de língua inglesa). 

 

Apenas os candidatos que obtêm as melhores notas no TPS são aprovados para a segunda fase do concurso. O mesmo ocorre em relação à segunda fase, ou seja, apenas os candidatos que atingem uma pontuação específica seguem para a terceira fase.

 

A terceira e última fase do CACD é composta por questões discursivas de Política Internacional, História do Brasil, Geografia, Economia, Direito e Direito Internacional Público, Espanhol e Francês. 

 

É preciso atingir um número de pontos específico para ser aprovado na terceira fase. A nota final do candidato será o somatório das suas notas na segunda e terceira fases e os melhores classificados tomam posse, conforme a quantidade de vagas oferecidas. 

A carreira diplomática te interessa?

Se você que leu esse artigo se interessou pela carreira diplomática, comece a pesquisar mais sobre a prova e a planejar seus estudos.

 

O grau de exigência do concurso é alto, portanto, ele exige uma longa dedicação de estudos e tempo para atingir esse objetivo.

 

Contudo, a periodicidade anual do concurso e o fato de qualquer pessoa com nível superior estar apta a fazê-lo tornam o objetivo da aprovação mais realista, visto que a prova ocorre com frequência.

 

Ser diplomata é uma das carreiras de maior prestígio e estabilidade da carreira pública brasileira, além de oferecer muitos benefícios e a possibilidade de viajar e viver fora do país!



Sobre o autor

Gisele Mendes - Marketing - Divulga Vagas
Gisele Mendes

Marketing - Divulga Vagas
 www.divulgavagas.com.br




Scroll to Top

PUBLICIDADE