Você precisa dar atenção aos sinais da sua mente e corpo, principalmente quando todo o cansaço e estresse parecem piorar no ambiente de trabalho. Leia o texto abaixo e entenda o que é a Síndrome Burnout e o que você pode fazer para evitar o desgaste.

 

Você já ouviu falar em síndrome de burnout ou esgotamento profissional? De maneira resumida o burnout é considerada uma síndrome psicológica decorrente da tensão emocional e crônica que é vivida pelos profissionais expostos a trabalhos intensos, estressantes e desgastantes. Dessa forma, ela é considerada como um risco ocupacional, ou seja, uma doença profissional. Além disso, de acordo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a síndrome de Burnout afeta mais de 33 milhões de brasileiros.

Claro que é normal ficar cansado depois de uma semana de trabalho, bem como algumas vezes sentir estresse por conta da demanda ou responsabilidades. Entretanto, ignorar por completo essas sensações pode ser perigoso. Por isso, é necessário dar atenção aos sinais da mente e do corpo, principalmente quando todo o cansaço e estresse parecem piorar no ambiente de trabalho, por exemplo.

Afinal, de onde vem o burnout?

Foi em 1974, que o psicólogo Freudenberger fez a primeira descrição clínica de um caso psicológico que passou a ser objeto de estudo da década, e que hoje ganhou mais foco. E como já abordamos aqui no blog, essa síndrome pode prejudicar sua carreira.

O termo, burnout, vem do inglês e significa “queima” ou “combustão total”. Em países de língua inglesa, essa palavra faz parte do vocabulário comum, trazendo o sentido de um estado de esgotamento completo. Muitas vezes, está associado a uma frustração com o trabalho. É igualmente definido como uma reação negativa a um nível crônico de estresse no trabalho. 

De acordo com o Dr. Drauzio Varella: 

“A síndrome de burnout é um distúrbio psíquico caracterizado pelo estado de tensão emocional e estresse provocados por condições de trabalho desgastantes. Professores e policiais estão entre as classes mais atingidas”. 

Sintomas

E como saber se você pode estar passando por burnout? Veja a lista dos sintomas mais comuns: 

Emocionais e sociais

  • atitudes de distanciamento afetivo; 
  • irritabilidade relacionada ao trabalho; 
  • indiferença e insensibilidade; 
  • sentimento de ineficiência e baixa realização pessoal;
  • lapsos de memória; 
  • pessimismo;
  • baixa autoestima; 
  • dificuldade de concentração; 
  • agressividade;
  • ausências no trabalho; 
  • ansiedade;
  • depressão; 

Físicos

  • fadiga persistente; 
  • falta de energia; 
  • dor de cabeça/enxaqueca;
  • dores musculares;
  • sudorese;
  • crises de asma;
  • insônia; 
  • palpitações;
  • crises gastrointestinais;
  • pressão alta.

5 maneiras de evitar o Burnout e cuidar da sua saúde

Por se tratar de uma síndrome emocional crônica, o Ministério da Saúde defende um tratamento basicamente feito por meio de profissionais da saúde e medicamentos. Ou seja, psicólogos, terapeutas, psicoterapeutas e remédios como antidepressivos e/ou ansiolíticos. Contudo, é possível amenizar o esgotamento com algumas atitudes simples no dia a dia e no trabalho. 

1 – Desapegue dos eletrônicos

Já parou para pensar quanto tempo passamos em frente a celulares e outros aparelhos eletrônicos? Seja no trabalho e até mesmo nos momentos de lazer.

No entanto, é preciso desapegar. A mente precisa de um descanso. Por mais que você pense que está se divertindo nas redes sociais, sua mente encontra-se cansada e fatigada de tanta informação e na maioria das vezes desnecessárias. 

Então, comece aplicando o desapego aos poucos: evite olhar o celular na cama, na hora do almoço não fique checando nada e durante o trabalho você pode até deixá-lo na mochila e usá-lo quando necessário.

2 – Pratique atividade física

Você já sabe dos benefícios do exercício físico. Porém, não custa nada lembrar que atividades e esportes regulares podem diminuir o estresse. As atividades ajudam a extravasar os sentimentos e tensões acumuladas.

Durante o trabalho, separe um tempo para alongamento pelo menos ou momento de meditação, por exemplo. Assim, fica mais difícil ter um esgotamento profissional porque você estará condicionando seu corpo a se livrar de sobrecargas emocionais através das atividades físicas e o conjunto de outros hábitos como o desapego dos aparelhos eletrônicos e uma boa noite de sono (que veremos na sequência).

3 – Tenha uma boa noite de sono

Dormir bem contribui e muito para que os níveis de estresse diminuam. Ou seja, o estresse pode sim estar atrelado à falta de sono. Por isso, é importante tentar ter uma boa noite de sono.

Durante o dia crie uma rotina de exercício, trabalho, família e quando chegar a noite faça a higiene do sono – desligue as luzes, diminua a agitação, desligue os eletrônicos, climatize o ambiente e etc. Dê tempo para o seu cérebro acalmar-se. Tome um bom e relaxante banho e, em seguida, deite e tente dormir bem (pelo menos 8 horas por noite). 

4 – Passe tempo com amigos e família

A vida não é só trabalho. Portanto, entenda que ter momentos de lazer e convívio social é importante para manter a saúde mental em dia. Necessitamos de companhia, de carinho, de momentos de alegria. Desfrute isso com quem importa. Deste modo, se programe para durante o dia ou, pelo menos, aos finais de semana, sair com amigos e ver a família. 

Uma atitude que pode ajudar contra o estresse é entrar em contato com um amigo (até colega de trabalho) e conversar sobre o dia. Falar pode funcionar, seja distraindo você de seus pensamentos estressantes ou liberando parte da tensão acumulada, discutindo-a.

Expressar-se é uma das maneiras que podem aliviar a tensão e te ajudar a relaxar. Ou seja, uma simples ação pode ser o melhor antídoto para o estresse. Além disso, não deixe de, mesmo que distante, se conectar com as pessoas.

5 – Contribua para um ambiente de trabalho mais saudável

Por mais que alguns hábitos fora do escritório contribuam para que se evite o burnout, também é necessário criar uma boa rotina dentro da empresa. Há inúmeros recursos para promover a saúde mental, como: 

— busque estabelecer limite nas relações dentro da empresa, para que a amizade não seja usada como desculpa para que lhe transfiram mais trabalho e responsabilidade do que você pode assumir;

—  evite levar trabalho para fora do escritório, mesmo que seja ler emails e mensagens do trabalho fora do expediente;

— não abra mão das férias;

— em caso de assédio ( qualquer tipo de humilhação ou constrangimento que diminua, envergonhe ou ridicularize o trabalhador no ambiente de trabalho) comunique a equipe responsável;

— aposte nos trabalhos em equipe para compartilhar as tarefas com os colegas e melhorarem a performance.


E lembre-se, é preciso estar atento aos sintomas da síndrome de burnout.

Lembre-se que se a mente está cansada, perdemos a eficiência e boa parte do rendimento. Logo, não adianta trabalhar mais, os resultados serão aquém do esperado e isso faz com que a frustração aumente. Portanto, ao menor sinal da síndrome procure um tratamento adequado e práticas que o ajudem, como essas que listamos.

Até a próxima!

FONTE: https://www.unasp.br/blog/maneiras-de-evitar-o-burnout/