Já se passou um ano desde que a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou a pandemia da Covid-19, forçando empresas de todo o país a fecharem as portas de seus escritórios. Até setembro, 11,7% dos funcionários brasileiros estavam trabalhando em casa, como mostra a pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

 

À medida que a distribuição de vacinas aumentar, alguns empregadores vão começar a sonhar com o retorno ao trabalho, como já está acontecendo em outros países, no entanto, outros já se comprometeram a manter o sistema remoto mesmo com o fim da pandemia. Segundo pesquisa do Ipea, 22% das profissões brasileiras podem ser exercidas à distância. Isso alavancaria para 20 milhões o número de funcionários produzindo de casa.

Veja, a seguir, como um ano de home office foi capaz de mudar a força de trabalho:

80%

Porcentagem de funcionários que estão trabalhando além da jornada normal, segundo o Instituto DataSenado, repartição de pesquisa vinculada à Secretaria de Transparência do Senado Federal.

R$ 61.250,00

 

Valor que um empregador pode economizar por funcionário a cada ano de home office, mesmo que seja só meio período, de acordo com o Global Workplace Analytics, empresa especializada em consultoria de pesquisa sobre o futuro do trabalho.

18%

Aumento de vendas de notebooks desde o início da pandemia, segundo dados da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica).

302 mil

Metro quadrado de escritórios devolvido em São Paulo durante a pandemia, segundo estimativa do Buildings, portal de pesquisa destinado ao mercado imobiliário corporativo.

1.362%

 

Percentual do aumento de vendas de cadeiras de escritório no Mercado Livre entre março e junho de 2020.

25%

 

Porcentagem de aumento de gastos que um trabalhador em home office traz para as contas da família, de acordo com o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV).

R$ 21,72 trilhões

Deve ser o gasto global com TI em 2021 com a permanência da pandemia e do home office, segundo o Gartner, consultora do mercado de tecnologia da informação.

220%

Aumento percentual de reuniões criadas no Skype durante a pandemia, segundo a Kantar, especialista global em pesquisa de mercado.

8,3%

Aumento na porcentagem de e-mails enviados após o horário comercial desde o início da pandemia, de acordo com um estudo da Harvard Business School.

R$ 2,6 bilhões

É o déficit orçamentário dos sistemas metroferroviários brasileiros até junho de 2020, de acordo com o levantamento da ANPtrilhos (Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos).

5 horas

Foi o tempo que o brasileiro passou nas redes sociais (WhatsApp, Facebook, Instagram, TikTok e Twitter) em 2020, segundo números do Cuponation, portal de cupons e vendas
online.

224%

Percentual de aumento de vendas de cursos e aulas online desde o início da quarentena, segundo levantamento do Cuponation.

21,2 milhões

Número de sacas de café vendidas no Brasil em 2020 com a permanência das pessoas em casa. O consumo foi o segundo maior da história do país, segundo a Abic (Associação Brasileira da Indústria de Café).

6%

Foi a queda percentual do consumo de gasolina no Brasil durante 2020, de acordo com dados da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

600%

Foi o aumento da procura por casas no campo em São Paulo entre março e setembro de 2020, segundo a Bossa Nova Sotheby’s, empresa especializada no segmento de alto padrão.

 

 

FONTE: 

https://forbes.com.br/carreira/2021/03/15-formas-como-o-home-office-mudou-a-forca-de-trabalho/